sexta-feira, 1 de abril de 2011

Análise crítica sobre a “escola Cidadã” de Moacir Gadotti


A obra bem estruturada é dirigida a todos aqueles que fazem parte do sistema educacional ou por todos aqueles que tenham interesse sobre o sistema educacional do país. Tem por objetivo principal transformar a escola burocrática existente numa outra escola, uma escola com autonomia, uma escola cidadã.
Gadotti, num vocabulário simples e acessível, deixa claro que para falarmos da autonomia da escola não podemos deixar de esquecer da resistência e conflitos que caracterizam a escola vivida, pois é nesta que construiremos uma outra escola. Utopia ou não, o próprio livro nos leva a pensar sobre o que podemos fazer enquanto cidadãos capazes de pensar, questionar e agir e não apenas formar cidadãos obedientes e fiéis à hierarquia postulada desde os tempos mais remotos.
Estabelece como princípios básicos: o pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas e a gestão democrática do ensino público realçando desta forma questões administrativas, uma vez que a compreensão da questão da autonomia da escola dependente, em boa parte, da compreensão da administração, da unidade escolar enquanto local de trabalho.
O que podemos concluir é que para os educadores que buscam uma autonomia escolar, retratando de forma crítica as questões burocráticas da escola atual, esta obra de Gadotti é perfeita porque mostra os problemas, mas ao mesmo tempo nos aponta soluções. Ela tem um caráter de levar à reflexão sobre o que poderia ser a escola e o que ela realmente é, ou seja, poderíamos ter uma escola de qualidade, democrática, descentralizada e temos uma escola ainda centralizada voltada para o ensino básico, no qual o educador ensina conteúdos e os alunos os aceitam sem questionamentos.
A participação da comunidade para a tomada de decisão, além do interesse participativo de pais, filhos, funcionários e professores, formando seres pensantes e criativos, que exerçam a verdadeira cidadania para servirem a vida, será possível através de uma escola cidadã, autônoma, participativa, democrática, comprometida com o sistema. É um excelente projeto, porém para atingir seu objetivo teríamos que ter uma reforma política, capaz de associar o custo benefício da descentralização do poder para as unidades regionais, ao fortalecimento da sociedade democrática, exercendo seus direitos com propósitos líquidos e certos de promover a qualidade e a autonomia dos cidadãos.

Referência Bibliográfica
GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. São Paulo; Ed.Cortez, 1992.

Nenhum comentário:

Postar um comentário