sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Enigmas de Darwin

Darwin e os grandes Enigmas da vida

  Sabedoria orgânica, ou por que a mosca deve comer sua mãe por dentro. 

O autor neste capítulo expõe que a Teoria de Seleção Natural nunca teria substituído à doutrina da criação divina se todos os organismos estivessem impregnados de perfeição. Cita dois exemplos realizados por Charles Darwin: Os cecidomiídeos (mosca) e o Micromalthus debilis (besouro). Para ele os melhores exemplos de adaptação pela evolução são aqueles que nos parecem peculiares ou bizarros. A ciência não é “bom senso organizado”; ao contrário, excita quando reformula nossa visão de mundo, impondo teorias poderosas contra os preconceitos arcaicos e antropocêntricos que chamamos de Intuição. Os Cecidomiídeos (mosca) podem crescer e se devolver por dois meios: 1-Sequencia Normal - em que saem do ovo emergindo como moscas comuns, sexualmente reprodutivas. 2- Partenogênese - sem fecundação de macho. As fêmeas param de se desenvolver precocemente e não ponhe ovos. A sua prole se desenvolverá no interior do seu corpo e para crescer, a descendência devora a mãe de dentro para fora e em dois dias, retorna ao mesmo ciclo garantindo uma rápida reprodução da espécie. O Micromalthus debilis (besouro) - desenvolveu um sistema idêntico, mas neste caso a fêmea, partenogênica produz um único descendente macho. A larva se prende a cutícula da mãe e ao inserir a cabeça pela abertura genital, a prole devora-a. Porque teriam esses insetos desenvolvido método tão peculiar de reprodução? Segundo alguns estudos evolucionistas, podemos explicar tal ato, pelo método comparativo especificamente: “objeto de comparação” que seja geneticamente semelhante, adaptado a um modo de vida diferente. Os organismos desenvolvem diferentes estratégias de vida que se adaptam a tipos diferentes de meio ambiente. Entre a teoria que correlacionam Estratégias a bem sucedida foi a de seleção r- e k-. A larva do cecidominídeo vive num clássico meio ambiente de estrategistas r- por produzir máxima energia de reprodução. Já as espécies estrategistas k- criam poucos e bem sintonizados descendentes. Nós humanos, com nosso vagaroso desenvolvimento, gestação prolongada e prole mínima, somos estrategistas k- embora nosso olhar esguelha para a estratégia de outros organismos como os cecidomiídeos que agem corretamente, em seu seletivo mundo r-. 


 O problema da perfeição, ou como um molusco pode criar um peixe em sua parte traseira? 


 Para o autor, descendente intelectual de Darwin a seleção natural tem outras raízes não se baseando em órgãos de extrema perfeição e complicação e ao utilizar o exemplo dos cecidomiídeos para ilustrar o problema do oposto e da perfeição, a dificuldade está em explicar como se desenvolveram. Para Darwin, as adaptações complexas não se completam numa única etapa, pois a seleção natural ficaria restrita a uma tarefa puramente destrutiva, de eliminação dos menos aptos sempre que aparecesse uma criatura mais bem adaptada. A Seleção Natural tem um papel construtivo através de uma sequência de estágios intermediários, reunindo, de modo sucessivo, elementos que só parecem ter significado como partes de um produto final. Os críticos de Darwin tentavam atribuir valores adaptativos a estágios incipientes de estruturas úteis e este retrucava tentando descobrir os estágios intermediários e especificar sua utilidade. O autor cita o exemplo dos Moluscos. Porque os mesmos possuem um peixe em sua parte traseira? Segundo a biologia reprodutiva as larvas dos moluscos para sobreviver têm de entrar pela boca do peixe e acomodar-se em suas guelras. Atrair um hospedeiro é fundamental. O princípio geral defendido pelos evolucionistas modernos exige a introdução de um conceito conhecido por pré-adaptação. A pré–adaptabilidade afirma simplesmente que uma estrutura pode mudar sua função radicalmente sem alterar muito a sua forma. O autor faz uma ressalva importante sobre o Bom Senso: é um guia fraco para o insight científico por tratar de um preconceito cultural. Ditava aos críticos de Darwin que uma mudança gradativa de forma devia indicar um aumento progressivo de função. Como não atribuíam um valor adaptativo aos primeiros e imperfeitos estágios de uma função, presumiam que os estágios anteriores não haviam ocorrido ou que não tivessem surgido através da Seleção Natural. O princípio da pré-adaptação pode resolver o dilema. 

 Considerações 

 Ressalvas a Teoria da Seleção Natural proposta por Darwin que trata da evolução das espécies, segundo a qual nem todos os indivíduos de uma população têm a mesma expectativa de sobreviver e de se reproduzir. Para Darwin a ideia de tudo ser perfeito poderia comprometer muitos experimentos (perfeição) e o ideal seria a análise de coisas bizarras como as citadas por ele (sabedoria Orgânica): a mosca e o besouro que matam a mãe para a garantia rápida da espécie, mas totalmente aceitável pelo cientista e/ou o molusco que para garantir a sobrevivência de sua espécie precisa hospedar o peixe. Nós dois textos abre-se caminho para as desconstruções de pensamentos Pela Seleção Natural, os indivíduos de uma mesma espécie apresentam variações em todos os caracteres, não sendo, portanto, idênticos entre si e todo organismo tem grande capacidade de reprodução, produzindo muitos descendentes. Entretanto, apenas alguns dos descendentes chegam à idade adulta. O número de indivíduos de uma espécie é mantido mais ou menos constante ao longo das gerações. Assim, há grande "luta" pela vida entre os descendentes, pois apesar de nascerem muitos indivíduos poucos atingem a maturalidade, o que mantém constante o número de indivíduos na espécie. Ao longo das gerações, a atuação da Seleção Natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de adaptação destes ao meio. Para finalizar, permanece no meio a espécie mais bem adaptada e que consegue realizar suas mutações em tempo de garantir a continuidade dos seus descendentes. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário